Revista Página22 :: ed. 53 (junho/2011)

O turismo que compramos ajuda ou atrapalha?
COMPARTILHE

EDITORIAL - Jogando a favor

Entramos em junho, mês comemorativo do meio ambiente, sob forte baque. A festa deu lugar ao revés, com retrocessos na votação do Código Florestal, assassinatos em série de camponeses na Amazônia, aumento descontrolado do desmatamento. ]

Não é hora de lamentar, e, sim, de reagir. O governo federal, diante do “incêndio”, lançou várias medidas emergenciais. Mas sabemos que somente uma mudança de modelo mental poderá garantir, a longo prazo, um ambiente no campo e na floresta que reúna segurança, aumento de renda, melhoria das condições sociais, desenvolvimento econômico e conservação dos recursos naturais.

Essa mudança de modelo passa por inverter a lógica de remuneração. A lógica que impera desde tempos coloniais é aquela que só vê na derrubada da mata a possibilidade de crescimento – ainda que imediatista e à base de fogo, ferro e sangue. Há diversos mecanismos e incentivos pelos quais se fomenta a economia da floresta e se valorizam os serviços que a natureza presta – até mesmo para a agricultura –, fazendo com que o interesse passe a ser de conservação, não de destruição.

O turismo, atividade à qual dedicamos esta edição que antecede o mês de férias, é um dos melhores exemplos de instrumento econômico capaz de jogar a favor da economia verde. Se bem desenhado, é uma forma poderosa de gerar empregos, distribuir renda e melhorar uma realidade socioeconômica, na medida em que conserva as características ambientais, culturais e sociais de um lugar – pois sua atividade, para que perdure a longo prazo, depende intrinsecamente da manutenção dessas condições. O mais interessante é que abre oportunidade de desenvolvimento em qualquer lugar do mundo, seja rico, seja pobre.

Assim, a lógica do turismo é a de conservação, ainda que grande parte do setor opere sob o antigo modelo mental. Página22 defende que cada vez mais esse instrumento jogue a favor da sociedade, fazendo a sua parte para que haja mais comemorações neste e em outros meses do ano.

Boa leitura!

Acesso à publicação