Revista Página22 :: ed. 88 (setembro/2014)

EXTERNALIDADES - Por que é preciso revelar o lado oculto da economia
COMPARTILHE

EDITORIAL - Desigualdade ecológica

A obra que fez do tema da desigualdade um best-seller finalmente chega ao Brasil em português: O Capital no Século XXI, do professor da Escola de Economia de Paris, Thomas Piketty, será lançado em novembro pela Editora Intrínseca, neste que é um dos países campeões da disparidade socioeconômica. Mas o que dizer das demais desigualdades, como as que se referem ao uso do espaço ecológico e dos serviços prestados pela natureza?

PÁGINA22 joga luz sobre essa questão ao tratar das externalidades que, em poucas palavras, são a “socialização” dos impactos negativos ou positivos gerados por determinada atividade. Em geral, são os mais pobres os mais vulneráveis às externalidades socioambientais negativas, reforçando a desigualdade. Incorporar o preço desses impactos nos produtos é uma forma de desestimular a velha economia e incentivar a economia verde e inclusiva, levando, assim, a uma maior equidade ao longo do tempo.

A desigualdade ecológica é um tema recorrente na história de 8 anos da revista, aniversariante deste mês de setembro, juntamente com o GVces, que completa 11 anos. Aproveitamos esta edição comemorativa para lançar uma série na revista, a seção Brasil Adentro, assinada pelo jornalista Sérgio Adeodato, que mostrará a realidade do País de uma forma mais descentralizada, fora da órbita dos eixos urbanos que concentram as decisões de poder.

Boa leitura!

Acesso à publicação